Entenda como funciona a estrutura do departamento financeiro

Departamento financeiro: entenda como funciona a estrutura desse setor.

Conhecer o funcionamento do departamento financeiro é essencial para a gestão do negócio. Afinal, é este o setor responsável pela administração dos recursos da empresa, controlando atividades como: tesouraria, riscos, planejamento e resultados.

O principal objetivo do departamento financeiro é garantir que a organização tenha receita para conquistar seus objetivos, mantendo-se competitiva e relevante no mercado por um longo período.

Pensando nisso, explicamos, neste artigo, o que você precisa saber para não errar na hora de estruturar o controle financeiro.

Abordaremos as principais funções do departamento e suas diferenças em negócios de grande, médio e pequeno porte. Ficou interessado? Confira a seguir!

As funções do departamento financeiro

O formato do departamento financeiro varia de acordo com o tamanho e as necessidades da empresa.

No entanto, é possível listar algumas atribuições comuns a todas as organizações, ainda que o tamanho da equipe e os nomes dos cargos mudem de caso a caso. Saiba mais sobre cada uma delas abaixo:

Tesouraria

A tesouraria é a área do departamento financeiro responsável por gerenciar o fluxo de caixa da empresa.

Seu papel é fazer o controle periódico das entradas e saídas de receita, produzindo relatórios mensais, quinzenais, semanais ou até diários, dependendo da necessidade.

Esta equipe também faz a gestão das contas bancárias da empresa, já que muitas das movimentações ocorrem apenas em ambiente eletrônico.

Gestão de contas

A gestão de contas engloba dois times bem conhecidos do ambiente corporativo: o contas a pagar e o contas a receber.

O papel do contas a pagar, na estrutura do departamento financeiro, é administrar os vencimentos das despesas da empresa, como contas de água e luz, entre outras.

Vale dizer que o pagamento de fornecedores também entra no escopo de trabalho. O intuito é manter tudo sempre em dia, evitando atrasos e multas.

Já o contas a receber faz o caminho inverso, verificando se os clientes estão em dia com suas obrigações e acionando mecanismos de cobrança, se necessário.

O setor é fundamental para o manter a taxa de inadimplência baixa, já que ela é uma das maiores vilãs da saúde financeira de qualquer negócio!

Contabilidade

A contabilidade cuida do patrimônio da empresa e suas variações. O patrimônio em questão, consiste em duas partes: ativos e passivos.

Os ativos são os imóveis, mercadorias, equipamentos, dinheiro em caixa e valores a receber, entre outros direitos e bens que a empresa possui.

Os passivos são as dívidas e contas por vencer, que representam as obrigações financeiras que a empresa precisa cumprir.

Planejamento financeiro

Feito com base nos dados fornecidos pela contabilidade, o planejamento financeiro é essencial para que a empresa olhe para frente sem comprometer o orçamento.

A área é responsável por traçar as metas para o futuro da empresa, projetando quanto será necessário investir para alcançá-las e de onde sairão os recursos para isso.

Um bom planejamento também indica quando é hora de reduzir ou aumentar investimentos, de acordo com o momento vivido pela organização.

Gestão de riscos

A gestão de riscos trabalha lado a lado com o planejamento dentro da estrutura do departamento financeiro.

O setor avalia os riscos de mercado, câmbio, crédito e operações, tomando as medidas necessárias para evitar ou amenizar eventuais problemas.

Sendo assim, sua importância no planejamento é evidente. Afinal, antecipar riscos é a melhor maneira de tomar medidas preventivas e evitar grandes prejuízos.

Gestão de impostos

Em empresas maiores, a estrutura do departamento financeiro costuma contar com um setor fiscal, que lida com o cálculo de impostos e com o cumprimento de exigências tributárias.

Também é responsabilidade desta equipe, identificar o regime tributário mais favorável para evitar que a empresa gaste mais que o necessário em impostos.

Fique ligado!

 >> Para saber mais sobre o assunto, confira este outro post do blog: Como calcular os impostos de uma venda online<<

A estrutura do departamento financeiro de acordo com o porte da organização

A estrutura do departamento financeiro e suas rotinas dependem do tamanho e do ramo de atividade da empresa.

Em geral, organizações maiores requerem equipes maiores, enquanto microempresas contam com times mais enxutos.

O essencial para todos os casos é que os profissionais que lidam com as finanças sejam competentes e confiáveis, para evitar riscos de falhas e fraudes.

Por isso, tenha um cuidado especial na hora de contratar pessoas para essas funções, acompanhando de perto seu histórico e pedindo referências de ex-empregadores.

Para montar a melhor estrutura para o seu negócio, confira abaixo como costuma ser o organograma do departamento financeiro em empresas grandes, médias e pequenas.

Empresas de grande porte

Em empresas grandes, o departamento financeiro conta com um setor responsável para cada função: tesouraria, gestão de contas, contabilidade, gestão de riscos e gestão de impostos. 

O planejamento fica a cargo da controladoria, um departamento separado que cuida da organização, da avaliação e do armazenamento das informações da empresa, incluindo as financeiras.

Cada área dentro do departamento financeiro tem um líder que responde ao diretor financeiro, que, por sua vez, responde à presidência.

Empresas de médio porte

Esse tipo de negócio requer um organograma menor, mas que, ainda assim, abarque equipes completas de contabilidade, gestão de contas e tesouraria.

Por não terem um departamento de controladoria, empresas de médio porte costumam contar com um controller dentro da estrutura do departamento financeiro. Com isso, todo o planejamento orçamentário fica a cargo do setor.

Microempresas

A estrutura do departamento financeiro em microempresas conta com um líder financeiro que, muitas vezes, é o próprio dono da empresa e um analista de tesouraria.

A contabilidade e a controladoria são terceirizados, já que a estrutura do negócio não comporta a internalização desses processos.

Como vimos ao longo do post, não existe uma estrutura do departamento financeiro perfeita, mas sim, a que se encaixa melhor na realidade da sua empresa.

Por isso, procure criar o setor mais completo e independente possível, mas sempre fazendo adaptações no organograma e terceirizando serviços quando necessário.

Gostou do artigo? Siga a Xerpa nas redes sociais e receba em primeira mão os nossos melhores conteúdos sobre gestão de negócios. Estamos no Facebook, Instagram e LinkedIn!

Guest post produzido pela Xerpa.

About the Author

Conteúdo produzido por um dos parceiros da eNotas. Quer participar do nosso programa de parcerias? Então, envie a sua proposta para [email protected] :)

>