nfce ms
LEGALIZAÇÃO

NFC-e no MS: novas exigências em 2020

Atualizado há mais de 1 semana

A NFCe no MS já é obrigatória desde março de 2019 para grande parte do varejo estadual. Porém, assim como outras questões fiscais, alterações e atualizações acontecem a todo momento. Por isso, é importante ficar atento para garantir a legalidade do seu negócio. 

Em fevereiro de 2020,  o governo mato-grossense divulgou um novo decreto que impactam, principalmente, o segmento de postos de combustíveis. Este post vai te ajudar a entender mais sobre o assunto.

Qual foi o calendário de implementação da NFC-e no MS?

Em um breve resumo, veja quais foram as datas de início de obrigatoriedade da NFC-e no MS segundo a legislação estadual:

  • 1º de março de 2017: contribuintes com renda superior a R$6 milhões em 2016.
  • 1º de setembro de 2017: contribuintes com renda superior a R$1,8 milhões e igual ou inferior a R$6 milhões.
  • 1º de março de 2018: contribuintes com renda superior a R$600 mil e igual ou inferior a R$1,8 milhões.
  • 1º de setembro de 2018: contribuintes com renda superior a R$180 mil e igual ou inferior a R$600 mil. 
  • 1º de março de 2019: contribuintes com faturamento igual ou inferior a R$ 180.000,00 (cento e oitenta mil reais) e desde que o estabelecimento não seja MEI (Microempreendedor Individual).

Quais são as novas exigências da NFC-e no MS em 2020?

O Decreto Nº 15.372, sancionado no dia 19 de fevereiro de 2020, promoveu as seguintes alterações na emissão de NFC-e no Mato Grosso do Sul:

Postos de Combustíveis

Antes, era possível emitir uma NF-e para substituir a NFCe MS. Porém, a partir do Decreto em questão, os postos revendedores varejistas de combustíveis automotivos estão obrigados a emitir a nota fiscal de consumidor nas operações de saída com combustíveis e lubrificantes.

Nas operações de venda a varejo, existem duas possibilidades:

  1. emitir a NFC-e para cada venda
  2. emitir uma NF-e periodicamente (não ultrapassando um prazo de um mês) que engloba todas as vendas realizadas 

Varejo em Geral

A apropriação do crédito fiscal de ICMS relativo às aquisições de mercadorias com base em NFC-e não pode mais acontecer. 

A NFC-e deve ser identificada por um conjunto de informações formado pelo CNPJ do emitente, número, série e tipo de emissão. 

O GTIN (Número Global do Item Comercial) devem ser validados a partir das informações contidas na Sefaz Virtual do Rio Grande do Sul. Isso pode acontecer por meio da consulta disponibilizada aos contribuintes e formado pelas informações:

  • GTIN; marca; 
  • tipo GTIN (8, 12, 13 ou 14 posições); 
  • descrição do produto; 
  • dados da classificação do produto (segmento, família, classe e subclasse/bloco); 
  • país - principal mercado de destino; 
  • CEST (quando existir);
  • NCM
  • peso bruto;
  • unidade de medida do peso bruto; 
  • GTIN de nível inferior, também denominado GTIN contido/item comercial contido; 
  • quantidade de itens contidos;

Quando acontecer uma quebra da ordem sequencial de emissão da NFC-e depois do 11º dia do mês subsequente, sem que os números das notas tenham sido inutilizados, considerar que a numeração do intervalo se refere a NFC-e em contingência não informados. 

Para o Nota Premiada, o programa de CPF na nota do estado, o Danfe (Documento Auxiliar de Nota Fiscal Eletrônica) as seguintes mudanças aconteceram:

  • nome do programa “Nota MS Premiada”
  • endereço eletrônico do programa Nota MS Premiada
  • as 8 dezenas geradas para cada nota emitida.

Por último, mas não menos importante, a NFC-e deverá conter o CRT (Código de Regime Tributário) a partir de 1º de janeiro de 2022.

Como emitir NFC-e no MS?

A emissão de NFC-e no MS é um importante passo para respeitar as legislações e manter-se em dia com a lei.

Como é comum ter dúvidas sobre as exigências e as mudanças do estado, você deve contar com uma equipe especializada, pronta para adaptar à sua solução aos novos cenários — como as questões mostradas acima. 

Nessas horas, você tem dois caminhos. É possível desenvolver tudo sozinho, desde as rotinas de monitoramento das atualizações da Sefaz (Secretaria da Fazenda) às atualizações de features do seu software.  

Lembre-se de que esse será apenas mais um ponto que merece a sua atenção, já que um bom PDV (ponto de venda) deve oferecer diversas outras funcionalidades. 

Por outro lado, você pode optar por uma API JSON REST. Com uma única e simples integração, é possível emitir NFC-e no MS e para de se preocupar com qualquer alteração na legislação do estado.

E não para por aí. Além dessa vantagem, você pode emitir NFC-e em todo o Brasil, inclusive em São Paulo com o SAT Fiscal e no Ceará com o MFE — o que é ótimo para quem quer atender mais cidades e estados, né?

Os ERPs que mais crescem no mercado, como a TOTVs, a Conta Azul e a SimplesVet, utilizam a API do eNotas Gateway para escalar e conquistar cada vez mais clientes. 

Empresas que atuam no varejo de combustíveis, como a Gilbarco (multinacional criadora da bomba de combustível) já optaram pela nota fiscal automágica também. Veja como isso funciona na prática no vídeo abaixo:

E então, está esperando o quê para emitir NFC-e no MS automagicamente? Marque uma consultoria gratuita com um dos nossos especialistas agora mesmo!

Gabriel Nascimento - Analista de marketing, engenheiro civil por formação e eterno aprendiz de novos idiomas!
Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Já conhece nosso canal de notícias fiscais no Telegram?
Ilustração de personagem assinando newsletter

Receba conteúdos automágicos sobre o seu mercado por email em primeira mão!

Utilizamos nossa tecnologia para dar mais liberdade às empresas que querem crescer rapidamente focando no que fazem de melhor no mundo, enquanto cuidamos de suas notas fiscais.