O que é EBITDA e como utilizar esse indicador

Atualizado há mais de 1 semana

O mundo dos investimentos nunca teve tantos interessados como nos últimos anos. Essa popularidade também fez com que essas pessoas se depararem com termos novos, como o EBITDA.

Trata-se de um KPI que pode dizer muito sobre a saúde financeira de uma empresa. Uma métrica que interessa, então, a investidores e a gestores das empresas.

Nesse último caso, o KPI é um dos fatores mais importantes para a hora de escalar a empresa e ela ser não só destacar no mercado e no mundo dos investimentos.

Portanto, leia agora sobre o EBITDA, seu cálculo e como ele ajuda na escalabilidade da empresa.

O que é o EBITDA e qual a importância desse indicador?

EBITDA é o acrônimo para Lucro Antes de Juros, Impostos, Depreciação e Amortização (Earnings Before Interest, Taxes, Depreciation and Amortization, em inglês).

Uma simplificação desse termo seria dizer que ele ajuda a entender se a empresa dá lucro em caixa.

Ele não considera, como se percebe pelo nome, as taxas, depreciações e as amortizações.

Ou seja, é tudo o que a empresa ganha antes de ser descontado essas despesas, considerando, portanto, só as atividades operacionais.

Na bolsa de valores, o EBITDA avalia o desempenho da empresa, permitindo que o investidor analise qual negócio, em um mesmo segmento, é mais vantajoso de se investir.

Afinal, o EBITDA não considera fatores externos como as altas taxas de juros. Para esse tipo de avaliação, existe o EBIT, que, como você verá a seguir, é o Lucro Operacional Líquido da empresa.

Ainda, com o EBITDA é possível projetar resultados, considerando a performance da empresa em gerar valor bruto.

Como calcular o EBITDA?

Pensando na própria definição de EBITDA, é possível imaginar que seu cálculo considera o lucro operacional líquido. A fórmula é:

EBITDA = Lucro Operacional Líquido + Depreciações + Amortizações

A partir daí, é necessário entender cada um dos fatores dessa operação.

O primeiro, Lucro Operacional Líquido, ou EBIT, é encontrado considerando a receita líquida descontando os custos dos produtos vendidos e as despesas operacionais.

A sua fórmula fica:

Lucro Operacional Líquido = receita líquida de vendas  - custo dos produtos - despesas operacionais

Depreciação é a perda de valor de um bem ao longo de um período, seja por desgaste ou mesmo perda de utilidade.

Seu cálculo pode ser feito considerando o custo da aquisição reduzindo seu valor residual. O resultado dividido por anos de vida.

Depreciação = (Custo da aquisição - valor residual) / anos de vida útil

A amortização, por sua vez, é a redução gradual de um ativo intangível. O conceito é parecido com depreciação, com a diferença de que o valor aqui refere-se a um ativo intangível, como marca e patentes.

Amortização = (valor inicial - valor residual) / vida útil

Entendido os cálculos, para entender o EBITDA, veja um exemplo na prática.

Imagine uma empresa de gás com receita líquida de R$ 100.0000. Sua receita com o que vende é de R$ 12.000.

Já as despesas gerais é R$ 10.000. A depreciação é de R$ 1.000, amortização R$ 800 e as despesas administrativas R$ 2.000.

Antes de chegar ao EBITDA, é necessário achar o lucro operacional.

Somando as despesas, tem-se: 

10.000 + 1.000 + 800 + 2.000 = 13.800

Agora, o lucro operacional ficará: 

100.000 – (13.800 + 12.000) = 74.200

Tem-se, portanto, o lucro operacional para, aí sim, calcular o EBITDA.

EBITDA = 74.000 + 1000 + 800 = 75.800

O EBITDA nos estudos de escalabilidade da empresa

Você leu ao longo desse artigo que o EBITDA é fundamental para avaliar se uma empresa é vantajosa para receber investimentos.

De fato, é, mas ignorar outros KPIs é um erro.

O EBITDA permite analisar a capacidade do negócio em ser produtivo e eficiente, sem considerar os impostos. O que facilita, por exemplo, de se comparar empresas de diferentes locais, incluindo de países distintos.

Portanto, o EBITDA é um indicador financeiro competitivo.

Por outro lado, analisar somente isso é ignorar as mudanças por outros fatores que impactam o caixa da empresa.

Ainda, é preciso lembrar que o EBITDA não considera a liquidez da empresa, o que pode esconder a habilidade em transformar investimentos em dinheiro.

Por isso, é possível dizer que o EBITDA é quase um KPI incompleto quando analisado sozinho, mas fundamental de toda forma.

Consequentemente, a métrica requer uma atenção sempre de quem quer gerar resultados para a empresa, seja para crescer ou mesmo se destacar no mundo dos investimentos.

Ter um bom EBITDA é resultado de uma empresa que se preocupa com seus processos e tem um bom capital produtivo.

O que se torna um fator intrinsecamente ligado a uma boa gestão financeira. Que por sua vez, deve se valer de uma equipe focada em processos bem transparentes e com ferramentas que possibilitam otimizar e automatizar operações.

Nesse sentido, o Gateway da eNotas pode ser uma dessas ferramentas, que não só possibilitará ter uma equipe mais integrada com os diversos sistemas de emissão e controle de notas, como também totalmente focada em estratégia!

Conheça agora o Gateway da eNotas

Head de Marketing na eNotas

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Utilizamos nossa tecnologia para dar mais liberdade às empresas que querem crescer rapidamente focando no que fazem de melhor no mundo, enquanto cuidamos de suas notas fiscais.