Movimento de caixa: o que é e como fazer

Atualizado há mais de 1 semana

Quem tem uma empresa, sabe que a parte financeira é uma das principais da organização. Conhecer termos e conceitos dentro desse universo pode ser fundamental para a sobrevivência do negócio. E dentre esses nomes, está o movimento de caixa.

Trata-se de um monitoramento que o empreendedor, ou sua equipe fiscal, precisam fazer para dar o devido fluxo a empresa, seja de entrada ou saída de dinheiro.

Algo que requer muita atenção e, claro, amplo conhecimento. 

Por isso, fique no texto!

O que é movimento de caixa? 

Trata-se de monitoramento de entradas e saídas do caixa da empresa. Ou o controle dessa movimentação.

O movimento de caixa ele registra os valores de modo diário.

Ou seja, ele gera históricos completos de retiradas e entradas, que podem ser pagamentos de colaborador, venda de produtos, aluguel, lucro, pagamento de impostos.

Tudo que entra e sai, mesmo, do caixa.

Caixa, aliás, é um termo bem comum e que remete às antigas caixas registradoras dos empreendimentos.

Hoje, é claro, o caixa nada mais é do que a conta onde estão os recursos financeiros de uma empresa.

Obviamente, esse equipamento ainda existe e é muito usado principalmente em comércio, varejo e empreendimentos de menor porte. 

Movimento de caixa vs. fluxo de caixa 

Essa é uma dúvida que pode acometer aqueles menos atentos e que precisa ser esclarecido. O movimento de caixa registra tudo que entra e sai do caixa da empresa, como você já leu.

O fluxo, por sua vez, é uma ferramenta mais completa. Ela não só registra como analisa outras variáveis do caixa da empresa.

Esse segundo conceito pode ser feito por planilhas, softwares de gestão e conseguem fazer projeções financeiras.

Pode-se dizer que o movimento de caixa é um conceito do setor financeiro, e o fluxo está mais para o administrativo de uma empresa.

Justamente por poder planejar, ajudar na tomada de decisão, na previsibilidade e dá uma dimensão maior da saúde financeira do negócio.

Para que serve o movimento de caixa 

O movimento de caixa serve para se analisar o que e quanto entra nos cofres da empresa.

Para isso, é necessário um registo fiel de toda essa movimentação, ou seja, com descrição de valor, data, descrição e, claro, discriminando que se trata de uma entrada ou saída.

O movimento de caixa é realizado conforme a necessidade do setor financeiro da empresa, que pode ser mensal, como é o mais comum.

Esses dados ajudam a entender no que a sua empresa tem investido e a origem dos valores que entram em sua empresa.

Com isso, é possível entender sazonalidades, o que dá uma previsibilidade sobre o que pode entrar e sair de acordo com o período do ano.

Ou seja, a empresa pode antever recursos para aplicar ou até mesmo programar promoções, por exemplo.

Como fazer movimento de caixa

Você percebeu que o movimento de caixa é essencial para uma empresa. Mais que isso: o registro é obrigatório.

O movimento de caixa é uma obrigatoriedade para todas as empresas com receita bruta anual de R$ 4,8 milhões, e isso inclui o Simples Nacional.

Mesmo que essa obrigatoriedade não se enquadre em certas empresas, manter um controle e organização financeiros é essencial.

Saber fazer, então, é necessário. Veja como:

1.      Confira o saldo inicial do seu caixa

Antes de abrir as atividades de sua empresa, pelo menos as fiscais, você precisa registrar o quanto você tem em caixa.

No caso do comércio, esse valor será o que está disponível para o uso ao longo do dia, ou seja físico.

2.      Separe o que é receita e do que é despesa

Ao realizar o registro do movimento de caixa, você precisa se atentar a discriminar o que entra e sai.

As saídas, como você pode imaginar, são as despesas. As entradas, receitas.

Cada uma delas deverá ser especificada separadamente em uma linha. Ou seja, nunca preencha a entrada e saída na mesma movimentação.

Você terá um exemplo logo mais.

3.      Calcule o saldo final

O saldo final compreende a soma das entradas no inicial ou a subtração das receitas no montante de início.

Cada movimentação terá o seu saldo final, que será o inicial da próxima movimentação.

Isso vale no final do dia, quando o saldo final será o inicial do próximo.

4.      Atente-se aos demais campos do livro

O seu registro de movimento de caixa não compreende só os campos que viu até agora. Normalmente, tem-se:

  • Data: o dia, ano e mês que aquela movimentação foi feita;
  • Histórico: a descriminação daquela movimentação;
  • Saldo inicial;
  • Entrada;
  • Saída;
  • Saldo final.

O fechamento do dia e a abertura do dia devem vir descritos apenas com o saldo final e iniial, respectivamente.

Conclusão

Como você pôde ver, a movimentação de caixa é algo bem básico, mas que pode causar algumas dúvidas em empreendedores em início de carreira, por exemplo.

Por isso, é importante ter amplo conhecimento sobre esses conceitos, saber a diferença entre eles, como é o caso do movimento e do fluxo de caixa.

Isso tudo pode ser ajudado com ferramentas de gestão financeira que automatizam esse processo e dão relatórios completos sobre tudo o que seu caixa movimenta.

Além disso, vale entender como está o mercado e como você pode se posicionar nele e usar de certas tendências para alavancar seu negócio.

Por isso, veja o que é tendências de empreendedorismo em 2022

Jornalista e apaixonada por produzir conteúdo nos mais diferentes formatos. Nas horas vagas, é fotógrafa, viajante e mãe de suculentas.

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Utilizamos nossa tecnologia para dar mais liberdade às empresas que querem crescer rapidamente focando no que fazem de melhor no mundo, enquanto cuidamos de suas notas fiscais.