O que é e como funciona uma API?

Você já percebeu como é fácil usar certos recursos da internet? 

Por exemplo, você quer logar em um app de compras de ingresso, como a Eventbrite. Para isso, todos os dados deveriam ser preenchidos de cada vez. Mas com um clique em “cadastre-se pelo Facebook” e voilà! Você já acessou e nada de ficar perdendo tempo com o formulário. 

Isso só é possível graças a uma sigla que poucas pessoas conhecem: API. 

Se você é um desenvolvedor ou programador, está acostumado a essas três letras, mas não é o caso da maioria dos usuários da internet. 

Portanto, este post é para você que não faz ideia do que significa essa palavrinha que, acredite, está muito presente em sua vida. E não é só para se logar em app, não. Confira só. 

O que é API?

A sigla reduz o termo “Application Programming Interface”, que no português vale o mesmo que interface de programação de aplicativos. Já é possível entender um pouco mais sobre o que faz uma API: ela faz uma interface entre aplicações diferentes de negócio. 

Por exemplo, no caso ilustrado ainda há pouco, é ela quem liga o Facebook ao app de compra. Você vê apenas a interface dos aplicativos, sem saber que por trás há todo um funcionamento feito pela API. 

Mas ela não apenas conversa com dois suportes que falam outras línguas. Ela age de maneira segura e com agilidade de processos.

Com outras “pontes”, essa ação seria muito mais demorada, o que acaba atrapalhando a experiência do usuário e, por consequência, determinando o abandono de uma compra. 

Mas para que a API seja realmente eficiente e que possa ajudar na experiência do usuário, os desenvolvedores precisam deixar esse recurso liberado para outras pessoas possam criar possibilidades ou mesmo integrá-los a outros apps que já existem. 

Quais as vantagens em se utilizar uma API?

Existem muitos benefícios em se usar uma API e não outras “conexões”. Não é à toa que ela é a mais usada. Mas... quais são eles? 

Facilidade de uso

O primeiro desses benefícios se encontra na maneira fácil de se usar uma API, por mais que não se saiba do seu uso. Outras formas de integração entre plataformas requerem instalações que traduzam a linguagem entre elas. 

Com a API, isso não é necessário. Ela mesmo realiza a integração, de maneira rápida e sem estragar a navegabilidade da pessoa.

Possibilidade de monetizar acessos

Existem APIs que são verdadeiras fontes de renda para seus desenvolvedores. Nesses casos, há restrições de uso a determinadas funcionalidades que são só liberadas a partir da compra de alguns pacotes. Um exemplo clássico é a Netflix, que apenas libera seus serviços a partir de pagamento.

Segurança de dados

Bom, uma API troca informações de uma plataforma para outra. Isso requer praticidade, claro, mas também segurança para que os dados sejam trocados sem perigo. Isso se dá graças a um filtro que só permite acessar só informações que serão, de fato, usados. 

Portanto, quando se usa uma ferramenta como essa, não é possível que outros dados, que não são necessários para o acesso, sejam usados. Por isso, não são expostos. 

Não que aqueles que sejam utilizados estejam vulneráveis, mas, quando nem acessados são, as possibilidades de exposição são quase 0. 

Controle de acesso

Uma API possibilita que a plataforma que a utiliza possa controlar melhor quem são as pessoas que a acessam. Isso permite realizar uma auditoria interna graças a uma ferramenta chamada gateway de API, que faz o gerenciamento de fluxo. 

Esse controle é importante para as plataformas de e-commerces, que graças a ele, podem mapear melhor seu tráfego, analisar a sua origem e colocar em prática novas estratégias de aquisição de compradores e de canais.

Rapidez

É inegável que hoje a agilidade em processos na internet é fundamental para a experiência do usuário não ser frustrante. 

Mesmo que os internautas não saibam o quão complexo pode ser integrar duas plataformas em uma só linguagem, ninguém quer saber de ações demoradas quando for usar determinado recurso. 

Por isso mesmo, a API faz com que tudo seja mais rápido quando o assunto é a tradução de duas plataformas. Tudo tão rápido e eficaz que nem se é possível saber da complexidade dessa “ponte”. 

Quais são os exemplos de APIs?

“Bom, tudo muito bem, tudo muito vantajoso, mas onde é que estão esses tais de API que eu nunca vi?”.

Essa pergunta é justa, mas saiba que o principal é que você nem perceba. Elas são feitas para agilizar ações na internet e, se funcionam bem, o usuário sai satisfeito e tudo bem. 

Mas eles estão em toda a parte. Quer ver…

Facebook 

API facebook

O Face é uma das redes sociais mais usadas no mundo. Não é para menos, portanto, que as APIs estejam tão presentes nessa mídia. Uma das formas mais comuns de encontrar uma API no Facebook é quando você entra em um app e surge a pergunta se você quer entrar com o seu perfil do FB. 

Você dá sim, e um ou dois cliques depois já fez todo o cadastro na plataforma. 

Uber

API uber

O app de corridas particulares também tem suas próprias APIs. E algumas delas, inclusive em parceria com o Facebook. Em alguns lugares do mundo, é possível realizar pedidos no Uber pelo Messenger do Facebook. Ou seja, você nem precisa ter o app de transporte, basta ter o de chat do Face. 

Google Maps

API Google Maps

É claro que o maior buscador da internet teria suas próprias APIs. E muitas delas você encontra no Maps. Exemplo mais claro está na integração da plataforma com sites de restaurantes, hotéis e lojas físicas. 

Graças à geolocalização, você pode saber quais empreendimentos estão perto de você e, graças à API do Google Maps, você pode interagir com recursos de seus sites ou mesmo de redes sociais. 

E o exemplo mais perfeito você encontra na integração entre Maps/sites de hotéis. 

Pela ferramenta do Google, você não só consegue tirar dúvidas diretamente com o estabelecimento, como realizar reservas no site. 

Netflix na TV

“Como assim, até o simples fato de se ver a Netflix por uma SmarTV é um trabalho de API?”

É sim. A Netflix é um site que hospeda filmes. A partir do momento em que você acessa o conteúdo pela sua televisão, sem precisar de um navegador para isso, há sim um complexo trabalho de “tradução” de linguagens sendo feito por uma API. 

Parece, à primeira vista, uma ação muito fácil, afinal é um conteúdo feito pra TV, mas há todo um esquema para facilitar as linguagens de ambas as plataformas. 

Meios de pagamento

Quando você compra algo pela internet, há duas linguagens envolvidas: a do site e a da operadora de pagamentos. Alguém precisa fazer essa “costura” entre as duas, certo? 

Pois é, mais uma vez é a API que realiza esse trabalho que você, por vezes, nem percebe. 

Nesse contexto, as APIs conseguem dialogar com o site, com as operadoras e com bancos, tudo de maneira fluida, segura e ligeira. 

Emissão de nota fiscal 

Emitir nota fiscal, a princípio, parece complicado. Principalmente para desenvolvedores de um sistema ERP. Isso porque cada município e estado têm padrões diferentes, exigindo adaptações, tempo e dinheiro para fazer tudo funcionar. 

Uma API para nota fiscal automágica permite a integração com todas as Secretarias da Fazenda e Prefeituras do Brasil com zero adaptação, permitindo a emissão de NFS-e, NFC-e, NF-e, SAT CF-e e MF-e.

Como você pode ver, as APIs estão presentes no seu dia a dia. Hoje, inclusive, é possível afirmar que empresas que não as utilizam podem ficar para trás e não ter o devido destaque no mercado. 

Por mais que você não perceba esse trabalho, é preciso valorizá-lo justamente por isso: por não atrapalhar a sua experiência na internet e garantir a melhor experiência de navegação. Mas você, agora que descobriu como e onde atua uma API sabe dizer quais as que você usa? Fala para gente aqui nos comentários!

About the Author

Gabriel Nascimento - Analista de marketing, engenheiro civil por formação e eterno aprendiz de novos idiomas!

>