Experiência do usuário: 5 dicas para aplicar e converter mais

Atualizado há mais de 1 semana

Qual a sua principal preocupação na hora de lançar um app ou um site na internet? É justo você pensar em apresentar o seu produto ou deixar tudo muito atraente e visivelmente bonito na interface. 

Mas de nada adiantará se a experiência do usuário não for um dos pilares do ambiente.

A experiência do usuário é um dos motes principais no desenvolvimento de produtos, sites e apps atualmente. É pensado desde a tecnologia ao marketing e recai exatamente sobre como uma pessoa interage com a plataforma que lhe é oferecida.

Desde usabilidade até ao design, passando pela compreensão dos elementos na interface, a experiência do usuário deixou de ser apenas um termo da moda para ser um dos principais — se não o — componentes do desenvolvimento de produtos e campanhas de marketing.

Não é exagero e você poderá comprovar isso neste texto!

O que é experiência do usuário?

Experiência do usuário, comumente chamada de UX (do inglês User Experience) é um conjunto de elementos e fatores relativos à interação do usuário com um determinado produto, sistema ou serviço cujo resultado gera uma percepção positiva, ou negativa, da plataforma.

A UX é usada em produtos ou serviços online, principalmente. A premissa é, basicamente, oferecer algo fácil de usar: intuitivo e que possibilita ao usuário ter uma experiência simples e, claro, estratégica para o negócio.

Por isso, é fundamental pensar como a experiência do usuário permite aumentar as conversões, seja em site ou em um app.

Dicas para aplicar a UX

Algo tão estratégico e importante para um infoproduto, site e app deve ser pensado com cuidado por todo produtor e empresa que queira converter e agradar seu público com uma funcionalidade.

Por isso mesmo, algumas dicas de como aplicar a experiência do usuário em seus produtos sempre são bem-vindas.

Confira

Usuário em primeiro lugar

O primeiro passo é entender as necessidades e expectativas do usuário. Para isso, é importante realizar pesquisas com usuários, analisar dados de uso e coletar feedback.

Por isso, você pode desenvolver testes que podem ser dos mais variados:

  • Teste de usabilidade interno: são testes monitorados pela empresa que desenvolve o site ou app. Há uma moderação e observação com instruções ao participante;

  • Teste de usabilidade remoto: normalmente não são monitorados e aplicados à distância. Tem um menor custo que o anterior, mas oferece menos detalhes;

  • Teste de usabilidade remoto monitorado: é uma espécie de mistura dos últimos dois. Aqui os participantes são monitorados, mas realizam à distância. Eles são incentivados pelos observadores da empresa, que coletam os dados de usabilidade.

Confira mais sobre o que é teste de usabilidade e quais são suas vantagens 

Aposte no simples e direto

O usuário não pode ter muitas distrações ao interagir com o seu site ou aplicativos. Por isso, eles devem ser simples e diretos de usar.

Os usuários devem ser capazes de encontrar o que precisam rapidamente e sem esforço, intuitivamente, sem precisar de instruções do app o tempo todo.

Tenha consistência

A interface do usuário deve ser consistente em todo o site ou app. Isso os auxilia a se familiarizar com a navegação e a encontrarem o que precisam mais rapidamente.

O ambiente precisa ser coeso, de forma que o usuário reconheça o seu produto em diferentes páginas e abas, por exemplo.

Dessa forma, ele não estranha as diferenças e se familiariza melhor com o seu produto. 

Seja responsivo

Os sites e apps devem ser responsivos, ou seja, devem se adaptar a diferentes dispositivos e telas. Isso garante que os usuários usem o site ou app de qualquer lugar.

Dessa forma, você dá possibilidade do usuário navegar pelo seu site ou app por onde ele achar melhor.

A responsividade não se limita a ter versões mobile e desktop. Ela oferece, em cada uma, funcionalidades típicas de cada dispositivo. Pensando, por exemplo, que pelo celular, uma pessoa usa apenas mãos e dedos, enquanto no desktop a navegação é por mouse e menos limitante.

Facilite a navegação

Os usuários devem ser capazes de encontrar o que precisam rapidamente e sem esforço. Para isso, é importante organizar o conteúdo de forma clara e lógica, usar navegação intuitiva e fornecer recursos de busca.

Como você leu, ela não pode receber, o tempo todo, instruções de uso. Apenas na primeira navegação ou quando solicitar.

Estratégias de experiência do usuário

Depois de todas essas dicas de aplicar o UX em sua plataforma, o que resta agora é entender as melhores estratégias para a experiência do usuário.

Confira:

Crie um call to action

O call to action é a mensagem que convida o usuário a realizar uma ação, como comprar um produto, se inscrever em uma newsletter ou baixar um conteúdo.

É importante que o call to action seja claro, conciso e fácil de entender. Ele não pode ser longo: deve ser objetivo, curto e, logo, direto.

Normalmente, são botões com destaques e cores fortes, mas não ao ponto de assustar: ele respeita a identidade visual de seu produto para não ser tão agressivo.

Evite errar na hora de construir um CTA: 8 principais erros de CTA que matam os seus conteúdos.

Tenha uma arquitetura da informação

A arquitetura da informação é a lógica com a qual o conteúdo se organiza dentro de sua plataforma. Como as mensagens que você quer passar são construídas.

Por isso, é muito importante que ela seja coesa, intuitiva e informe o leitor de maneira simples, mas completa o suficiente para que ele não fique confuso.

Essa arquitetura envolve a construção de:

  • Menus categorizados;

  • Títulos (H1, H2…)

  • Cores que classifiquem o tipo de informação;

  • Informações dadas claramente e não muito longas;

  • Gatilhos mentais que sejam fortes e condizentes com o perfil de seu público.

Personalize a experiência

A personalização pode ajudar a criar uma experiência mais envolvente e relevante para os usuários. Isso pode ser feito usando dados de uso para recomendar produtos ou serviços, ou para mostrar conteúdo personalizado.

Isso atrai mais seu público, fazendo com ele se sinta identificado com o ambiente na qual está usando.

Não só ele se sentirá instigado a usar mais a sua plataforma, como perceberá que a sua experiência é boa o suficiente para indicar a outras pessoas — e ser um defensor de sua marca.

Com essas dicas, você pode aplicar a experiência do usuário em sites, produtos digitais e apps.

E você já sabe que a experiência não é uma novidade, mas sim uma estratégia consolidada e extremamente necessária para uma empresa. Mas, se quiser saber de tendências para o mercado digital, o texto do link te ajudará com isso.

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Utilizamos nossa tecnologia para dar mais liberdade às empresas que querem crescer rapidamente focando no que fazem de melhor no mundo, enquanto cuidamos de suas notas fiscais.