Descubra os 4 maiores desafios na emissão de NFS-e para SaaS

A emissão de nota fiscal eletrônica de serviço (NFS-e) não é uma tarefa trivial, ainda mais se considerarmos que temos um dos sistemas fiscais mais complexos e burocráticos do mundo.

Os desafios são enormes para diversos setores e quem possui uma empresa SaaS não fica de fora deles. São problemas que fazem os empreendedores perderem um tempo precioso que poderia ser melhor investido no negócio.

Hoje vamos falar sobre as adversidades enfrentadas na hora de emitir a NFS-e e como resolvê-las. Acompanhe!

1. Instabilidade na prefeitura

Um dos maiores contratempos é em relação ao sistema das prefeituras. Infelizmente, é bem comum que eles apresentem instabilidades – principalmente no início e fim de mês, quando há um alto volume de documentos fiscais a serem gerados.

Essa é a realidade de grande parte dos órgãos municipais brasileiros, mesmo aqueles maiores e mais estruturados. Até São Paulo já ficou mais de 1 dia fora do ar este ano, acredite!

Isso ainda não é específico da NFS-e, já que até mesmo a NF-e (nota fiscal eletrônica de produto), dependendo do estado, passa por instabilidades diárias.

Portanto, tente nunca deixar as emissões para a última hora. Imprevistos podem acontecer e você corre o risco de esquecer algumas notas fiscais – acarretando juros e multas.

Diante dessa realidade, o emissor de NFS-e, como o eNotas, deve saber lidar com todas as particularidades do município e instabilidades das prefeituras de forma inteligente.

O sistema precisa entender quando a prefeitura ou a Sefaz está instável ou fora do ar. Assim, é possível fazer várias tentativas até conseguir emitir as suas notas fiscais eletrônicas.

2. Variação do serviço prestado

Caso o seu SaaS preste mais de um serviço, o que é bem comum, é necessário adequar a nota fiscal à cada atividade. Para isso, você deve acompanhar o código de identificação do serviço municipal, que vai orientá-lo para emitir o seu documento corretamente.

É importante garantir isso para cada venda processada a fim de não declarar um serviço errado.

Outra situação comum é a exigência que empresas do Simples Nacional informem a alíquota correspondente à faixa de impostos na nota fiscal. Essa tarefa pode até parecer fácil, mas se o seu encargo muda mensalmente, é preciso atualizar essa informação no seu processo de emissão todo mês.

3. Retenção do ISS

Dependendo das particularidades do seu negócio, do serviço prestado e da localização de sua sede e do seu cliente, a prefeitura pode reivindicar a retenção do ISS (Imposto Sobre Serviços de Qualquer Natureza).

Algumas delas determinam também a realização de um cadastro local no CPOM – Cadastro de Empresas Fora do Município.

Caso você se enquadre nessas características e não faça esse cadastro, o seu cliente pode, por exemplo, não pagar o valor total do serviço e ainda descontar o imposto, pois a prefeitura vai cobrar dele ao tomar essa NFS-e.

4. Falta de integração automática

A impossibilidade de gerar as notas fiscais automaticamente é um grande empecilho. Como cada prefeitura funciona de uma maneira, algumas não permitem essa facilidade, o que pode causar transtornos.

Afinal, trabalhar com procedimentos manuais é coisa do passado. Mas, ainda existem pessoas que utilizam esse método, que demanda muito tempo, gera um custo alto, corre risco de emitir incorretamente e dificulta a gestão do negócio.

E, para evitar ter essas adversidades, investir em softwares de emissão automática de nota fiscal eletrônica é fundamental.

Uma boa solução deve conseguir gerar também em municípios que não dispõem dessa funcionalidade, como Joinville, Santana de Parnaíba, Barueri e várias outras.

Existe até mesmo uma API para NFS-e que unifica todas essas comunicações e emite as notas automaticamente, incluindo essas prefeituras sem webservice.

Outro ponto a ser analisado é em relação ao certificado digital, que é obrigatório em muitas prefeituras. Essa questão pode ser um complicador para os empreendedores, principalmente para aqueles que não compreendem como ele funciona.

O eNotas, por exemplo, permite a emissão automática em inúmeras cidades até mesmo sem certificado, inclusive em São Paulo, Florianópolis, São Bernardo do Campo, Criciúma e outras.

Conclusão

Devido à complexidade do processo de emissão de nota fiscal eletrônica de serviço (NFS-e), alguns detalhes dão muita dor de cabeça. O ideal é que você contrate um emissor inteligente que faça todo o trabalho burocrático para você, como é o caso do eNotas. 

Assim, você tem tempo para focar em ações que vão fazer o seu negócio crescer, sem se preocupar com problemas fiscais e nem perder energia com o que pode ser automatizado.

E aí, gostou do nosso texto? Ainda precisa entender melhor sobre NFS-e? Então, baixe o nosso guia prático sobre os 7 maiores desafios da NFS-e em nível nacional.

*Icon made by Freepik from www.flaticon.com

About the Author

Gabriel Nascimento - Analista de marketing apaixonado pela produção de conteúdo, engenheiro civil por formação e eterno aprendiz de novos idiomas!

  • Marcelo Andrade disse:

    Obrigado pelo conteúdo! Temos um SaaS com muito volume de emissões e essas dificuldades são recorrentes, principalmente quando essas prefeituras dão pau!:-(

  • >

    Quem Aparece nas Buscas dos Seus Potenciais Clientes no Google?

    ...você ou seus concorrentes?