Cupom fiscal e nota fiscal: entenda as diferenças e pare de confundir

Confundir cupom fiscal com nota fiscal eletrônica é um erro que alguns empreendedores cometem. Isso porque os conceitos são parecidos, mas é preciso entender as suas diferenças e como eles são utilizados hoje em dia. 

Este conteúdo te explica mais sobre os termos e como eles são importantes para manter o negócio legalizado. Vamos lá?

O que é o cupom fiscal?

Comprovante que é emitido pelo Emissor de Cupom Fiscal (ECF). O cupom fiscal informa apenas os principais dados da transação, como:

  • informações da empresa;
  • local;
  • data e horário;
  • quantidades e descrições das mercadorias;
  • valores e forma de pagamento.

Veja um exemplo de cupom fiscal a seguir:

cupom fiscal

O ECF é um equipamento que não exige conexão à internet, por isso, você deve entender os seus pontos positivos e negativos. 

Como a web não é necessária para autenticar o cupom fiscal, o ponto de venda não deixa de operar caso haja alguma instabilidade ou falha com a internet. Porém, o ECF e as bobinas para impressão são caros.

Outro ponto negativo está relacionado à sua falta de mobilidade e de praticidade. Quem emite cupom fiscal não consegue enviar o documento fiscal por email e vender a partir de smartphones, tablets ou qualquer outro equipamento eletrônico. 

O que é a nota fiscal?

Documento eletrônico que autentica a venda de produtos e de serviços em nosso país. A nota fiscal deve conter todos os dados da transação, como:

  • CNPJ da empresa;
  • endereço da empresa;
  • data da operação;
  • valor do produto ou do serviço;
  • impostos recolhidos;
  • dados do comprador;
  • inscrição estadual ou municipal;
  • e muito mais.

Os três tipos de notas fiscais mais famosos são:

  • Nota Fiscal de Produto Eletrônica (NF-e)
  • Nota Fiscal de Serviço Eletrônica (NFS-e)
  • Nota Fiscal de Consumidor Eletrônica (NFC-e)

A NFC-e é o documento que está substituindo o cupom fiscal em todo o país. Por ser uma nota estadual, cada unidade federativa tem regras diferentes para a sua emissão. Enquanto o Amazonas já concluiu todas as etapas de implementação da nota de consumidor, a NFC-e em MG ainda não é obrigatória para todos os empreendedores.  

O estado de São Paulo, por exemplo, exige a utilização do SAT, que documenta e valida as transações comerciais do varejo paulista. Saiba que o SAT assina o documento digitalmente e se comunica, via internet, com a Sefaz. Desde janeiro de 2018, todos os comerciantes são obrigados a utilizá-lo.

A presença do QR-code é um diferencial da NFC-e. A partir da leitura do código com a câmera de um celular, o contribuinte consegue comparar se o que foi transmitido à Sefaz condiz com os dados impressos. 

Abaixo, você pode ver como é uma NFC-e:

nota fiscal de consumidor

A NFC-e pode ser emitida por meio de uma Danfe (Documento Auxiliar da Nota Fiscal Eletrônica) em qualquer tipo de impressora. E, caso haja instabilidade na conexão com a internet, a NFC-e em contingência é utilizada.

Com este conteúdo, você entendeu mais sobre a nota fiscal eletrônica e como ela está substituindo o cupom fiscal em todo o país. Portanto, fique atento para saber se o seu estado já exige a sua emissão. 

Agora, continue com conosco e descubra mais sobre a Nota Fiscal de Consumidor Eletrônica (NFC-e)!

About the Author

Gabriel Nascimento - Analista de marketing apaixonado pela produção de conteúdo, engenheiro civil por formação e eterno aprendiz de novos idiomas!

>

Pare de perder tempo com tarefas manuais... Comece a emitir Notas Fiscais AUTOMÁGICAMENTE