Saiba quais são as melhores ferramentas para planejamento estratégico

Atualizado há mais de 1 semana

Se você está na gestão de uma empresa, sabe bem que é fundamental ter um planejamento estratégico para alcançar metas e objetivos. 

É graças a esse “plano de ação” que o negócio anda de maneira elaborada, estratégica e com as melhores decisões. 

E para isso, é fundamental ter ferramentas para planejamento estratégico! 

Está afim de saber por que e quais são as melhores? Então confira no texto!

Por que realizar um bom planejamento estratégico?

O planejamento estratégico é um mapa que guia a organização para ter os resultados que se espera dela, sempre tendo em mente metas de curto, médio e longo prazos.

O planejamento reduz os riscos de uma empresa, fazendo com que todos os setores e as decisões estejam alinhados e com o mínimo de erros possíveis ao longo de uma estratégia.

Outro fato que aumenta a importância do planejamento estratégico é a incorporação de toda a cultura da empresa, engajando funcionários e principalmente a liderança nas tomadas de decisões. 

E para isso são necessárias metodologias que ajudem a fazer uma análise profunda da empresa, do mercado e do público o qual se deseja atingir. 

É aí que entram as ferramentas para planejamento estratégico. 

Quais as 7 melhores ferramentas para planejamento estratégico?

Essas ferramentas para planejamento estratégico serão fundamentais para o seu negócio, no ponto de vista de realizar um diagnóstico de todo o contexto que envolve o crescimento da empresa. 

Mas, você não encontrará 7 indicações em que poderá escolher uma entre elas para aplicar no empreendimento.

Na verdade, elas podem ser usadas de maneira integrada. Cada ferramenta desenvolve um papel nesse diagnóstico. Por isso, abuse e use delas. 

Análise SWOT

Talvez a mais popular das ferramentas para planejamento estratégico. A Análise SWOT é usada para mapear quatro aspectos da empresa diante o mercado: 

  • Força (Strength): é um fator interno – ou seja, de controle da empresa – em que se analisa os pontos fortes e as vantagens da organização;
  • Fraquezas (Weakness): também interno e que mapeia aquilo que precisa ser melhorado;
  • Oportunidades (Opportunities): já esse é um fator externo, logo, que foge do controle da empresa. É tudo aquilo que o mercado aponta e que pode ser positivo para o empreendimento; 
  • Ameaças (Threats): outro fator externo, mas que dessa vez pode representar um risco, ou seja, atingir o negócio de maneira negativa.

Analisando esses quatro aspectos, é possível ter uma clareza sobre as ações para serem tomadas levando em consideração o que a empresa possui de melhor, sem se esquecer das devidas melhorias e desafios impostos pelo mercado. 

Ciclo PDCA

O PDCA pode ter dois significados similares, ambos vindos do inglês para formar a sigla: Planejar, Fazer, Verificar, Agir (Plan, Do, Check, Act) ou Planejar, Fazer, Verificar, Ajustar (Plan, Do, Check, Adjust).

É um método usado pela gestão de maneira interativa e que visa, sobretudo, melhorar os processos de uma empresa.

Sem esquecer de mencionar que se trata de um ciclo, um processo, portanto, contínuo. Para um planejamento estratégico, o PDCA é importante para fazer tudo acontecer de maneira ordenada.

Como o próprio nome diz, começa-se com o planejamento, seguindo pela execução, para então se verificar e então tomar uma ação ou ajustar aquilo que se obteve. 

BSC

A sigla tem um nome completo: Balanced Scorecard. A ideia é ter os indicadores equilibrados de desempenho, mostrando de uma maneira sistêmica e com uma visão geral todos os demonstrativos financeiros do empreendimento. 

A metodologia se baseia que todos os setores da empresa estejam em equilíbrio, seja com relação ao fluxo de caixa ou ao clima organizacional em harmonia, além da boa satisfação do cliente.

São seis etapas que o BSC se desenvolve: desenvolvimento da estratégia, elaboração do mapa de execução, alinhamento dos funcionários, melhorias operacionais, reuniões de revisão para monitoramento e testes para melhorar a estratégia. 

OKR

Percebe que as siglas são bem comuns por aqui, não é? Como boa parte das ferramentas para planejamento estratégico vem do inglês, facilita memorizar, não acha?

Aqui, tem-se Objectives and Keys Results, ou Objetivos e Resultados-Chaves. Trata-se de um sistema que busca ter metas coletivas e individuais para facilitar a gestão.

Então, sem muito segredo: é uma ferramenta que precisa de prioridades para cada setor que, por sua vez, elabora as metas de cada colaborador. Isso dá foco para a equipe, engajamento e melhora a produtividade de toda empresa. 

Obviamente, toda meta é mensurada, compartilhada e suscetível a melhorias.

Análise PESTEL

Aqui, você encontra uma ferramenta de planejamento estratégico muito ligada à Análise SWOT. Lembra que ela se vale de quatro aspectos que se dividem em fatores externos e internos?

Os externos não possuem controle do empreendimento e são oferecidos pelo contexto de mercado. Por isso, são bem complexos de serem identificadas. E é aí que entra o PESTEL. E sim, é uma sigla dos fatores que ela analisa no mercado: políticos, econômicos, sociais, tecnológicos, ecológicos e legais. 

Leva-se em conta para achar as oportunidades e as ameaças do SWOT todo o contexto englobado por esses seis fatores. 

Pode ser o clima político regional ou nacional, legislações vigentes, ameaças de meio ambiente, o cenário da economia… enfim. 

As 5 forças competitivas de Porter

Mais uma vez, uma ferramenta de planejamento estratégico que pode ser usada com a análise SWOT. 

Você pode observar o seu SWOT levando em consideração essas 5 forças competitivas de Porter:

  1. Rivalidade entre os concorrentes

É uma análise feita de acordo com a rivalidade entre as empresas de mesma atuação. Quanto maior ela for, mais complexo será entrar e se destacar nesse mercado. 

Ela deve ajudar a mapear as orientações para pesquisa de mercado e benchmarking. Para empresas que estão começando agora, essa força pode indicar se vale a pena ou não ser mais um competidor nessa rivalidade. 

  1. Poder de barganha dos clientes

Se há muitos concorrentes, o público possui um poder de barganha maior. Ou seja, mais opções para achar um produto ou serviço de acordo com o menor preço. 

Um mercado com muitos concorrentes, mas com um nicho muito específico de público-alvo, pode ter um cenário em que o cliente dita o preço, por ter justamente muita empresa na competição.

  1. Poder de barganha dos fornecedores

Já aqui, é parecido, mas ocorre com os fornecedores. Portanto, a empresa está no lugar de seus clientes. 

O mercado oferece muitas opções de fornecedores para aquilo que você precisa para operar? Um cenário de monopólio pode ser de difícil atuação, já que o poder de barganha da sua empresa será menor.

  1. Ameaça de novos entrantes

Esse poder analisa o quão fácil é para uma empresa entrar em um mercado. Ela impõe algumas barreiras que podem fazer novos empreendimentos desistirem de competir. 

São vários fatores analisados aqui. Por exemplo, a força das marcas que já existem. Imagine você ser concorrente da Coca-Cola. Ou então, as patentes para a construção de algo ou o alto custo de instalação de equipamentos. 

  1. Ameaça de produtos substitutos

Você encontra nesse poder uma característica que vem de um mercado cada vez mais conectado com a tecnologia. 

Produtos substitutos são aqueles que exercem a mesma função de um já presente no mercado, mas que trazem uma facilidade nova, muitas vezes, vindo da tecnologia. 

Basta lembrar do Uber, que faz o mesmo serviço dos Táxis, mas por aplicativo. 

Matriz de Ansoff

Criada por Igor Ansoff, essa matriz avalia a situação do mercado considerando o portfólio de produtos ou de serviço da empresa. 

São dois eixos: produtos (no eixo cartesiano X) e Mercados (o Y). Criam-se quadrantes acrescentando colunas de Novos e Existentes.

Assim, você analisa o seu poder de penetração de mercado, o desenvolvimento de produtos, do próprio mercado e a diversificação.

Como você viu, as ferramentas para planejamento estratégico ajudam em diferentes aspectos o seu negócio, cada uma podendo desdobrar novas possibilidades de se consolidar no mercado e alavancar os resultados de sua empresa. 

E muitos outros aspectos podem contribuir com isso. Por exemplo, a reforma tributária. 

Esse assunto é espinhoso e pensando nisso, fique com esse Guia da Reforma Tributária para entender tudo o que você precisa para não afetar a sua empresa.

Jornalista e apaixonada por produzir conteúdo nos mais diferentes formatos. Nas horas vagas, é fotógrafa, viajante e mãe de suculentas.
Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Utilizamos nossa tecnologia para dar mais liberdade às empresas que querem crescer rapidamente focando no que fazem de melhor no mundo, enquanto cuidamos de suas notas fiscais.