5 erros tributários que você não pode cometer

O aumento do número de vendas não depende apenas da produção de ótimos produtos e conteúdos. Na realidade, é preciso ter uma empresa legalizada e economicamente saudável, que respeita as legislações nacionais — principalmente as tributárias.

Entretanto, alguns profissionais enfrentam dificuldades, pois não se organizam corretamente. Como consequência disso, muitos cometem erros tributários que comprometem a obtenção de bons resultados.

A falta de planejamento e as improvisações são os principais motivos que causam problemas nessas horas.

Os aspectos tributários podem até ser complicados em uma primeira análise, mas, com o devido preparo, é possível evitar dores de cabeça e mostrar ao mercado que a sua empresa é honesta.

Continue com a gente e descubra os 5 principais erros tributários que você não pode cometer.

1. Definir alíquotas erradas

Provavelmente, você já ouviu falar na expressão “alíquota tributária”, certo? Mas será que você realmente sabe o que ela significa?

Pois bem, a alíquota é uma variável do cálculo de impostos, que pode aumentar ou diminuir o valor a ser pago. Você deve saber que cada imposto tem a sua própria alíquota, e é nessas horas que muitos empreendedores cometem erros.

Ao escolher uma alíquota equivocadamente, você tem dores de cabeças para emitir as suas notas fiscais, principalmente em relação ao ICMS (Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) e o ISS (Imposto Sobre Serviço). 

A alíquota do ICMS varia em cada estado e deve ser selecionada corretamente. Isso quer dizer, por exemplo, que o transporte de uma mercadoria entre os estados de Minas Gerais e São Paulo pode não ser tributado da mesma forma do que entre o Amazonas e a Bahia.

Já o ISS  é um tributo municipal e varia em cada prefeitura. Ele está relacionado à prestação de serviços. Se você vende cursos pela internet, por exemplo, fique muito atento à alíquota desse imposto. 

Em resumo, esse erro tributário pode configurar a sonegação de impostos, levando ao pagamento de multas e até a prisão.     

2. Deixar o planejamento tributário de lado

Você pensou em pagar menos impostos sem desrespeitar as leis? Saiba que isso é possível com um planejamento tributário bem realizado. Quem comete o erro tributário de não realizá-lo perde essa oportunidade de manter o negócio legalizado e reduzir despesas.

Essa ferramenta evita a incidência indevida de impostos, permite o aproveitamento de regras de isenções e retarda o pagamento multas.

Além do mais, o planejamento tributário melhora o posicionamento de sua empresa no mercado, pois você tem o conhecimento necessário para precificar corretamente os seus produtos e serviços. Consequentemente, você sai na frente de seus concorrentes e consegue atrair mais clientes.

Os fatores que estruturam um planejamento tributário eficiente são:

  • escolha do regime tributário correto;
  • pagamento de impostos em dia;
  • levantamento de dados sobre a gestão;
  • uso de tecnologias para analisar dados e emitir notas fiscais automaticamente.

Não se esqueça de que o planejamento tributário sempre deve ser baseado em medidas legais. Ou seja, fuja de improvisações, já que a redução de custos nunca pode vir antes da licitude do seu negócio.  

3. Esquecer-se de ter um bom contador

Quem acompanha o nosso blog sabe como é importante ter um profissional contabilista como um braço direito na empresa. Essa medida parece simples, mas é essencial para manter o negócio legalizado.

Infelizmente, alguns profissionais se deixam levar pelas rotinas e se esquecem de contratar um contador. Em outros casos, alguns empresários acreditam que os assuntos contábeis não são relevantes para o sucesso do negócio.

É importante ter ciência de que o contador não deve atuar apenas na Declaração do Imposto de Renda. Na verdade, ele permite a obtenção dos seguintes benefícios:

  • realização do balanço patrimonial;
  • economia de despesas com impostos;
  • proteção dos bens do empreendimento;
  • produção dos demonstrativos fiscais;
  • e muito mais!

Por isso, não marque mais bobeira: encontre um contador, tornando-o o seu braço direito na hora de tomar decisões financeiras na gestão.

Aproveitando o tópico, responda: você sabe como enviar as suas notas fiscais ao seu contador? Não? Então leia o nosso post sobre as 3 formas de um profissional contabilista acessar esses documentos fiscais.

4. Vender sem emitir nota fiscal

As notas fiscais são documentos que permitem a retenção de tributos e o respeito às legislações tributárias em nosso país. Além do mais, elas protegem a sua empresa de problemas com trocas e devoluções indevidas ou falsas acusações de fraudes. 

Apesar de todos esses benefícios, ainda existem pessoas que insistem em vender sem nota fiscal. Com uma rápida pesquisa na internet, você descobre inúmeros casos de mercadorias apreendidas por causa da falta dos documentos fiscais.

Duas toneladas de mercadoria, por exemplo, foram retidas na Operação Barreira Fiscal da Polícia Federal. Já em outro caso, mais de 3,2 mil produtos foram apreendidos também.

E não é preciso ser um especialista em legislação tributária para entender as consequências dessa prática. A Lei 8.137 deixa bem claro que empreendedores devem emitir notas fiscais, exceto nos casos de venda ou prestação de serviços entre Microempreendedores Individuais (MEI) e pessoas físicas.

A venda de mercadorias ou a prestação de serviços sem nota fiscal é crime, passível de multas e até a prisão segundo a Lei 4.729.

E não há desculpas para não emitir os seus documentos fiscais corretamente. Hoje em dia, existem ferramentas que facilitam o seu trabalho, como o eNotas, que automatizam todo o fluxo e fazem com que você tenha mais tempo em sua rotina de trabalho.

Já que o eNotas está integrado às principais plataformas de pagamento do mercado, você consegue atender às demandas de seus clientes, com produtos e serviços de qualidade, e evitar um dos principais erros tributários de forma simples. 

Parece mágico, certo? Na verdade é automágico!

Portanto, se você não quer ser preso, pagar multas ou perder o negócio, comece emitir as suas notas fiscais automaticamente quanto antes e fuja de um dos principais erros tributários!

5. Sonegar impostos

A sonegação de impostos é um grave problema em nosso país.

Apenas em 2017, mais de R$ 500 bilhões não foram arrecadados. Além de atrapalhar o equilíbrio dos cofres públicos, este valor poderia:

  • distribuir mais de 900 milhões de cestas básicas;
  • construir 17 milhões de postos de saúde;
  • construir 36 milhões de salas de aulas;
  • pagar mais de 500 milhões de salários-mínimos.

Esses dados são impressionantes, não é mesmo? Contudo, saiba que o problema não acaba por aí. Empreendedores que sonegam impostos precisam pagar multas e podem até ser presos.

Segundo a Lei 4.729/65, a pena pode variar entre 6 meses a 2 anos de prisão. Em relação à multa, tenha em mente que valor cobrado fica entre 2 a 5 vezes do preço do tributo. 

A partir de agora, você conhece os principais erros contábeis que atrapalham o desempenho do seu negócio. Qualquer um deles pode manchar a sua imagem no mercado, provocar a ocorrência de multas e tirar várias de suas noites de sonos.

Desse modo, é essencial estar preparado para evitá-los. Boas práticas para se precaver são:

E então, gostou do nosso conteúdo? Quer aprender mais sobre outros assuntos relevantes para o seu empreendimento? Continue com a gente e descubra qual é a hora de automatizar a emissão de notas fiscais!

About the Author

Analista de marketing apaixonado pela produção de conteúdo, engenheiro civil por formação e eterno aprendiz de novos idiomas!

>