Capital de giro: o que é, como calcular e como a falta pode quebrar o seu negócio

Capital de giro representa o dinheiro em caixa necessário para financiar a empresa e garantir a continuidade das operações.

Isso quer dizer que calculá-lo é fundamental para manter as contas em dia e ter dinheiro para, por exemplo, investir em novas ferramentas, contratar novos funcionários ou fazer lançamentos.

Entretanto, alguns empreendedores deixam esse assunto de lado e passam por poucas e boas na hora de deixar o orçamento no verde.

Ao ler este post, você aprenderá mais sobre o assunto e descobrirá dicas simples que podem ser aplicadas ainda hoje.

A importância do capital de giro

O capital de giro é tão importante para uma empresa assim como o oxigênio é essencial para o corpo humano. Apesar de ser uma comparação estranha, tanto o capital de giro quanto o oxigênio permitem que os processos funcionem.

O ideal de se manter um capital de giro é para não precisar de empréstimos de banco, pois, o custo financeiro e os juros são bem altos, podendo ser bem prejudicial para sua empresa.

Se você precisar pagar uma multa por não emitir nota fiscal, por exemplo, será que haverá recursos financeiros para arcar com essa despesa? Quem não determina um valor ou não acompanha a variação do capital de giro fica facilmente suscetível a imprevistos.

Portanto, ao terminar a leitura deste post, calcule imediatamente o seu capital de giro.

O que é o capital de giro na prática

Como já foi dito, ele é o dinheiro que faz sua empresa se movimentar.

Vamos supor que você comprou um produto de um fornecedor, realiza o pagamento e o encaminha para o estoque. Tudo certo até aqui não é mesmo?

A partir disso, você disponibiliza a mercadoria em sua prateleira ou estante virtual, e um cliente efetua a compra. Porém, o consumidor, decide pagar a prazo. Como você fará para pagar todos os custos logísticos, trabalhistas e fixos?

É exatamente nessas horas que o capital de giro entra em ação. Ele é o valor guardado para suprir uma falta momentânea de dinheiro.

O cálculo do capital de giro na sua empresa

Inicialmente, você deve determinar todos os de custos fixos da empresa, como:

Como cada empreendimento tem características diferentes, é difícil determinar todos os custos em apenas uma lista. Por isso, estude muito bem a situação financeira do seu negócio e dê o seu melhor, não deixando nenhum valor para trás.

Após isso, faça uma média de custos variáveis, como:

  • gastos com a produção;
  • compra de produtos de limpeza;
  • anúncios em redes sociais;
  • vendas a prazo.

Some os dois valores encontrados e faça uma média mensal. Ou seja, divida tudo por 30 e encontre o capital de giro necessário para manter tudo em ordem em um mês.

Para empresas que estão iniciando agora, é importante lembrar que o valor mínimo de estoque necessário deve ser incluído na soma de custo variável para estabelecer o capital de giro.

Colocando essa explicação nos termos contábeis, temos a seguinte fórmula:

CGL = AC – PC.

Em que:

  • CGL significa capital de giro líquido;
  • AC significa ativo circulante (que são os valores financeiros positivos, contas a receber, caixa);
  • PC significa passivo circulante (que é o oposto de AC, são os valores financeiros negativos, as contas a pagar, como empréstimos e financiamentos, entre outros).

Abaixo você encontra um vídeo da Tactus Contabilidade Online com uma explicação bem dinâmica sobre como calcular o capital de giro do seu negócio:

5 Dicas para otimizar o capital de giro

Agora que você aprendeu o que é o capital de giro, a importância de utilizá-lo, e como calcular, confira as dicas para otimizá-lo ainda hoje em seu negócio.

1. Livre-se dos feelings e dos achismos

Nunca tome decisões fundamentadas em feelings ou achismos, baseie-se todas as suas atitudes em fatos e estatísticas.

Sempre que precisar decidir por algo, pense bastante sobre isso, faça pesquisas, conheça o seu fluxo de caixa e os seus indicadores financeiros, e só então aja.

2. Não solicite empréstimos com juros maiores que sua rentabilidade

Sempre que for solicitar um empréstimo, se atente ao valor dos juros, e nunca solicite empréstimos em que a taxa de juros seja maior que a rentabilidade da empresa.

Ao tomar esse cuidado, você evita prejuízos e não fica no vermelho no final do mês. É válido saber o que significa lucratividade e rentabilidade. Esses conceitos ajudam na definição de preços e permitem que você tenha uma gestão financeira melhor.

3. Cuidado com o pró-labore

Tome cuidado com a retirada do seu pró-labore. Se necessário reduza o valor para otimizar o lucro da empresa e aumentar o capital de giro.

Agindo desse modo, você terá maior possibilidade de crescimento em momentos de crise, aumentando seu lucro pelo pró-labore futuramente.

4. Priorize a liquidez

Liquidez em uma empresa é a facilidade com que um ativo se transforma em dinheiro no caixa. Se precisa otimizar seu capital de giro ou aumentá-lo, é importante priorizar investimentos e produtos que tragam maior liquidez para empresa.

Se você vende mais de um produto ou serviço, veja qual é aquele que traz mais lucros e direcione, por exemplo, os seus esforços de divulgação e vendas no whatsapp ou até mesmo em anúncios pagos.  

5. Utilize seu poder de negociar sempre!

Não importa qual é a mercadoria ou o curso online que é vendido: você sempre precisa negociar com fornecedores e parceiros de trabalho. Nessas horas, encontre empresas que prezam pela qualidade e oferecem um preço justo.

Tome cuidado para não considerar apenas a questão financeira antes de tomar qualquer decisão. Em alguns casos, a proposta mais barata pode ser a de pior qualidade.

Fique atento às cláusulas contratuais e fuja de taxas e multas abusivas.

5 Erros ao estabelecer o capital de giro que você não pode cometer

1. Estabelecer um valor com dinheiro que não está disponível

Considerar valores que não estão em conta é uma das principais falhas que alguns empreendedores cometem. Se você, por exemplo, receberá R$ 100.000,00 no mês que vem por causa do seu último lançamento, contenha os seus ânimos e não considere esse montante.

Conte apenas com o dinheiro que você tem em mãos. Lembre-se de que pode haver inadimplência ou atrasos no pagamento dentro do prazo estabelecido. E acredite: isso afetará o seu capital de giro de forma negativa.

2. Ter prazo para recebimento maior que o de pagamento

Sempre que acordar um prazo para um cliente te pagar uma mercadoria, é imprescindível que você se atente ao prazo de pagamento aos fornecedores.

Ao se precaver, é possível encontrar um equilíbrio entre os valores a receber e a pagar. Quem deixa esse assunto de lado, não tem capital de giro suficiente e se mete em maus lençóis.

Se, por exemplo, você recebe grande parte das receitas até o dia 5, faça de tudo para deixar as contas para depois do dia 10 ou 15.

Atenção: sabemos que negociar com clientes ou fazer cobranças é algo complicado. É preciso utilizar uma linguagem e uma abordagem adequada em cada caso. Se você quer evitar dores de cabeça nessas situações, veja o nosso conteúdo para cobrar clientes e fugir da inadimplência.

3. Não gerenciar seus estoques

O gerenciamento de estoque é algo de extrema importância para evitar gastos desnecessários, como a compra de produtos que têm pouca saída.

Ter mercadorias paradas significa menos capital de giro para investir nas próximas semanas ou meses. Portanto, faça um controle de estoque rigoroso, documentando tudo que entra ou sai do seu empreendimento.

4. Solicitar empréstimos sem planejamento

Ao pedir um empréstimo, é necessário analisar todas as despesas a pagar e a receber. Apenas após esse estudo você tem certeza do valor exato e quais serão as melhores formas de arcar com a dívida.

Empréstimos mal planejados podem acabar em multas e juros que poderiam ser evitados. Como consequência disso, o seu patrimônio empresarial é afetado, chegando a faltar dinheiro para escalar o negócio.

5. Não realizar o Fluxo de caixa

O fluxo de caixa é uma das ferramentas contábeis que mudam o destino de um empreendimento.

Mas qual é o porquê disso? O fluxo de caixa reúne todas as movimentações financeiras de sua empresa. Não importa se o dinheiro foi gasto na compra de mais papel para a impressora ou para contratar um emissor de notas fiscais automáticas: tudo deve ser documentado no fluxo de caixa.

Quem não o atualiza e o acompanha diariamente não sabe qual é a sua situação socioeconômica ou se há capital de giro disponível. Por isso, se você ainda não faz do fluxo de caixa uma realidade em seu empreendimento, comece o quanto antes.

Em um primeiro momento, você pode utilizar uma planilha de Excel. Contudo, você sentirá falta de integrações e outras funcionalidades em seu fluxo de caixa à medida que o negócio crescer, e será preciso usar uma ferramenta mais completa.

Conclusão

Neste post, você aprendeu o que é capital de giro, qual é a sua importância e como calculá-lo. Além disso, descobriu algumas dicas para colocar em prática ainda hoje e evitar problemas financeiros em seu negócio.  Caso você tenha alguma dúvida, sempre procure a consultoria de um contador.

Gostou deste conteúdo? Então compartilhe-o em suas redes sociais!

About the Author

Larissa Ester - Estagiária de marketing, sempre em busca de aprendizado. Apaixonada por marketing digital e criação.

>