MFE - Módulo-fiscal-eletrônico
LEGISLAÇÃO
NOTAS FISCAIS

O que é o Módulo Fiscal Eletrônico (MFE)? Tire suas dúvidas!

Atualizado há mais de 1 semana

Acompanhe este guia e fique por dentro das principais dúvidas a respeito do Módulo Fiscal Eletrônico (MFE), que é responsável pela emissão das notas fiscais no Estado do Ceará.

As regras para emissão de comprovantes fiscais podem variar dependendo da região e do tipo da nota. Como empreendedor, esse é um sinal de alerta e um desafio para continuar escalando seu negócio dentro da legislação pertinente.

Se você trabalha com NFC-e em São Paulo, por exemplo, sabe que é utilizado o Cupom Fiscal Eletrônico (CF-e), que é documentado por meio do SAT — um equipamento físico criado para documentar eletronicamente as transações comerciais físicas.

E, se tratando da Nota Fiscal do Consumidor Eletrônica, um outro estado também resolveu inovar: o Ceará optou por implementar o Módulo Fiscal Eletrônico (MFE).

Por se tratar de um modelo específico de emissão, é comum surgirem dúvidas e embaraços em torno do processo de emissão deste comprovante. Por isso, neste post, vamos abordar as principais dúvidas envolvendo o MFE. Acompanhe!

O que é o MFE?

O Módulo Fiscal Eletrônico (MFE) foi desenvolvido para suprir à legislação fiscal que determina as novas regras de emissão de Cupom Fiscal Eletrônico (CF-e) no Ceará, em substituição ao Emissor de Cupom Fiscal (ECF).

O aparelho MFE é bem parecido com o SAT, que é utilizado no estado de São Paulo, entretanto, o MFE possui algumas peculiaridades que são impostas pela SEFAZ/CE como, por exemplo:

  • Bateria;
  • GPS para localização do equipamento;
  • GPRS para conexão de internet por meio de chip 3G/4G.

Dê uma olhadinha na imagem:

MFE
SAT

Quase gêmeos, não?

Uma vez que o MFE substituiu o ECF, a impressora fiscal também ficou para trás. Assim, surgiu-se a necessidade para os estabelecimentos de obter uma impressora não-fiscal para impressão das vendas realizadas.

Observação: Ao adquirir o aparelho, o contribuinte deve efetuar a ativação acessando o site da Sefaz, não sendo necessário, portanto, a lacração do equipamento.

Vale dizer que, a Secretaria da Fazenda do Ceará fornece um link contendo o passo a passo e as documentações necessárias para ajudar o contribuinte nesse processo de emissão.

Banner Guia Prático Sat Fiscal

Qual é o prazo de adesão do MFE?

Para aqueles que ainda utilizam o ECF, mas devem aderir ao MFE, a regra é que dentro de um período de 24 meses após a data da primeira autorização de uso, você ainda poderá emitir os cupons no sistema antigo.

Entretanto, é necessário ter adquirido os aparelhos até 31 de janeiro de 2019 e funcionar, em paralelo, com o MFE.

O que diz a Legislação?

A Instrução Normativa nº 08/2019 prorrogou, para 30/11/2019, o prazo de obrigatoriedade do uso do Módulo Fiscal Eletrônico, que anteriormente tinha como data limite 31 de julho.

Fique atento!

As novas exigências já serão fiscalizadas a partir de 1º de Outubro/2019. E, na hipótese de perda de prazo (vinculação, ativação, aquisição) do MFE, está estipulado a pena de multa no valor total de R$ 6.391,08 mil.

O que é o componente de segurança? 

É uma aplicação fornecida pela SEFAZ-CE que será obrigatoriamente acompanhará o MFE e operará em conjunto com o Software Básico. 

Ele será responsável por: 

  • Realizar a comunicação com o PDV por meio do serviço Comunicador MFE pela porta USB;
  • Repassar para o Software Básico todas as funções chamadas pelo Aplicativo Comercial ou Software de Ativação;
  • Coletar informações operacionais e fiscais do MFE através da função “Consultar Status MFE”;
  • Informar à SEFAZ-CE sobre eventuais problemas com o MFE e suas condições de operação;
  • O Componente de Segurança será disponibilizado na plataforma Linux.

Observação:

Para maiores informações consulte o “Manual de Integração do Componente de Segurança” disponível no site da Sefaz.

​O que é o integrador fiscal?

O Integrador Fiscal é uma plataforma de comunicação disponibilizada pela Secretaria da Fazenda do Estado do Ceará para a integração de AC/PDV's dos estabelecimentos contribuintes do ICMS do estado

Os objetivos dessa ferramenta são:

 • Facilitar o processo de integração entre os sistemas 

 • Padronizar o processo de comunicação. 

• Simplificar o meio de comunicação entre o AC/PDV homologados no Estado do Ceará e os emissores de documentos fiscais da SEFAZ, uma vez que todo o processo de comunicação e emissão de documentos fiscais serão definidos de forma única.

Você sabia?

Quem trabalha com a API do eNotas Gateway não precisa se preocupar com o integrador fiscal!

Quais são os fabricantes homologados?

Dentre os fabricantes homologados para o Estados do Ceará, podemos estabelecer um lista com o nome e modelo do aparelho. Acompanhe:

  • Elgin Industrial da Amazonia LTDA - Modelo: LINKERC1
  • Tanca Informática Eireli - Modelo: TM-1000  
  • Daruma Telecomunicações e Informática - Modelo: MFE-100
  • Dimas de Melo Pimenta Sistemas de Ponto de Acesso LTDA - Modelo: D-MFE
  • Gertec Brasil - Modelo: GERMFE
  • CS Devices – Comércio de Equipamentos e Serviços de Tecnologia LTDA - Modelo: MFECR-A1

Observação: A lista de fornecedores homologados pode sofrer alterações. Portanto, estaremos atualizando o post constantemente para acompanhar as modificações que ocorrerem.

Como ativar o MFE? 

Para o processo de ativação do MFE, deve-se trilhar os seguintes passos: 

  • Vincular o equipamento ao seu CNPJ —  para essa tarefa, o ideal é contar com o apoio do seu contador
  • Efetuar a instalação e a configuração —  que deve ser feito com a ajuda de técnicos de informática;
  • Ativação — também contar com o auxílio de técnicos de informática; 
  • Vinculação com a software house – Para essa etapa, deve-se ter o apoio da empresa de software contratada.

Para uma visão mais clara do processo, confira o vídeo abaixo:

Quando emitir NFC-e no Ceará?

É permitido o uso da  NFC-e para as hipóteses de contingência, quando o MFE estiver inoperante. Há também outra possibilidade.

Em 15 de março de 2019, a Instrução Normativa Nº 17 permitiu  a emissão de NFC-e por parte de varejistas que tenham receita bruta igual ou inferior a R$ 250.000,00 por ano — não sendo necessário utilizar o MFE, apenas o integrador fiscal. 

Para participar disso, o contribuinte deve se enquadrar como:

  • sociedade empresária;
  • sociedade simples;
  • empresa individual de responsabilidade limitada (EIRELI); 

A medida foi criada para desburocratizar a rotina de pequenos empreendimentos. Saiba que quem ultrapassar esse limite deverá emitir o CF-e obrigatoriamente.

atenção

Quem utiliza a API do eNotas Gateway emite CF-e e NFC-e no Ceará em qualquer situação. Inclusive se atende empreendimentos com faturamento anual menor que R$ 250 mil!

Como consultar um CF-e? 

Para essa atividades, você precisará ter em mãos a  Chave de Acesso do Cupom Fiscal Eletrônico - CF-e (chave composta por 44 posições).

Vale dizer que, qualquer consumidor final que adquira mercadorias ou prestação de serviços pode fazê-la.

O procedimento para consulta é muito rápido e bem intuitivo. Primeiramente, deve-se digitar a chave de acesso do Cupom Fiscal Eletrônico:

imagem 1

Como resultado, será apresentado o extrato do cupom com a opção de Download PDF, como é ilustrado a seguir :

imagem 2

Como consultar um MFE?

O Portal CF-e disponibiliza de forma simples a consulta pública de MFE. Todos os envolvidos no modelo operacional podem acessar e acompanhar o status dos MFEs em tempo real.

Primeiramente, deve-se digitar o número de série e o dígito verificador do MFE que se deseja consultar:

Imagem 3

Após isso, será apresentado os resultados detalhados do MFE, conforme imagem abaixo:

imagem 4

Como emitir MFE em um aplicativo comercial?

Dentro desse assunto, a Sefaz traz um manual de boas práticas (MFE/CF-e) para aplicativos comerciais (ERP). Diante disso, separamos as 10 principais observações para você:

1. Emitir CF-e respeitando os padrões previstos na legislação nacional e estadual

O ERP para Emissão de CF-e, além de observar a legislação tributária, deverá seguir os padrões definidos nos Manuais, nas Notas Técnicas e nos Esquemas .XML.

Observação: As últimas versões dos documentos acima citados estão disponíveis no site do governo. 

2. Cadastro de clientes, emitentes e produtos

O Aplicativo Comercial para Emissão de CF-e deverá permitir a configuração de dados mínimos do emitente, tais como: CNPJ e Razão Social

O Aplicativo Comercial deverá autorizar o pré-cadastramento e manutenção de clientes (pessoa física ou jurídica), além do preenchimento dos dados dos clientes diretamente na venda para facilitar a operação no caixa. 

Outro fator importante é ter um bom cadastro de produtos que permita uma manutenção adequada com a legislação tributária. 

3. Venda rápida

O Aplicativo Comercial para Emissão de CF-e deverá permitir a venda rápida e fácil, sem cadastrar o consumidor final, permitindo a ele, informar o CPF/CNPJ quando necessário. 

Nessas horas, é fundamental contar com uma API de nota fiscal escalável, como a do eNotas Gateway. Sem isso, a experiência do usuário pode ser prejudicada, aumentando o tempo de atendimento e o tamanho das filas no varejo. 

4. Identificar o destinatário

O Aplicativo Comercial para Emissão de CF-e deverá possibilitar a venda com a identificação de destinatário, principalmente no que diz respeito ao seu CPF, embora não obrigatório.

Além disso, terá de respeitar as validações previstas nos Manuais do CF-e, bem como, observar os casos de obrigatoriedade definidos na legislação tributária. 

Aproveitando o assunto...

Você sabe quais as vantagens em colocar CPF na nota? Não? Então descubra como ganhar uma renda extra e todos os outros benefícios do CPF na nota!

5. Possuir histórico e Status dos CF-e's de venda e de cancelamento

O Aplicativo Comercial para Emissão de CF-e deverá manter os status de cada CF-e

emitido, incluindo as vendas e os cancelamentos. Os cupons fiscais rejeitados deverão conter o motivo da rejeição.

6. Observar e registrar de forma correta as vendas e os cancelamentos

Ao fazer um cancelamento, deve-se emitir um tipo especial de CF-e chamado: CF-e de Cancelamento.

Esta nota segue a mesma sequência de numeração dos outros CF-e's e faz referência a um CF-e de Venda anterior, cancelando este último.

Portanto o Aplicativo Comercial deve marcar o CF-e de Venda referido como cancelado

7. Permitir a correção de erros que geram rejeição do CF-e

O CF-e pode ser rejeitado pelo MFE, conforme as regras de validação previstas nas Especificações Técnicas.

O software deverá permitir a correção desse erro e possibilitar uma nova tentativa objetivando a Autorização de Uso. 

É recomendável que o software implemente todas as regras de validação previamente divulgadas ou, no mínimo, as regras básicas de validação, visando dar qualidade na emissão dos documentos. 

8. Imprimir Extrato do CF-e 

O Extrato CF-e é o documento auxiliar do CF-e. A impressão deve ser gerada pelo Aplicativo Comercial e deve respeitar o previsto na legislação nacional e estadual.

O software deverá possuir a opção de imprimir o Extrato CF-e tanto na forma completa como na forma resumida, sempre com QR Code, para que o cliente/consumidor possa escolher. 

9. Guardar os XML de todos os CF-e's

Um recurso imprescindível para qualquer Aplicativo Comercial é o armazenamento dos arquivos .XML dos CF-e's autorizados.

Os contribuintes, por sua vez, devem manter esses arquivos pelo prazo de 5 anos, conforme regulamenta a legislação, cabendo ao Fisco realizar as inspeções nesse sentido.  

10. Permitir a integração com sistema de pagamento por cartão (Transferência Eletrônica de Fundos - TEF) 

O programa deverá possibilitar a integração com o sistema de autorização de pagamento com cartão de crédito ou débito (TEF). Deve-se observar os métodos do Integrador Fiscal / Validador de Pagamentos Eletrônicos.

É possível utilizar o MFE sem burocracia?

A emissão de Nota Fiscal do Consumidor Eletrônica (NFC-e) é um ponto imprescindível para ter tranquilidade e escalabilidade no seu negócio.

Empreendedores que tentam desenvolver soluções por conta própria acabam enfrentando problemas e passam por um caminho mais tortuoso. 

Isso acontece, pois além das atualizações constantes e as instabilidades de cada sistema, ainda existem alguns estados que fogem à regra e adotam mecanismos próprios, como é o caso de São Paulo e Ceará.

Fora isso, as complicações técnicas também surgem como barreiras a serem vencidas no caminho. Veja qual é o fluxo de integração que um desenvolvedor deverá entender para homologar o MFE em seu sistema no caso de pagamentos em cartão de crédito ou débito:

FluxoVendaPDVUtilizandoPOS-01 (1)

Nada simples, né?

E esse é apenas um exemplo de tipo de pagamento.  

Se você quer contornar esses obstáculos e contar com uma integração simples, que leve seu varejo para um próximo nível, impulsionando cada vez mais suas vendas, então você precisa conhecer o eNotas Gateway.

Uma API REST JSON capaz de automatizar todos esses processos e permitir que você aloque energia em setores mais estratégicos.

E não importa qual o tipo de nota fiscal você emite, inclusive o CF-e MFE no Ceará. O eNotas Gateway é um único canal de comunicação com todas as Sefaz e prefeituras do Brasil dos ERPs que mais crescem no mercado, como TOTVS e Conta Azul. 

E você, vai ficar de fora dessa?

Rafael Versiani - Escritor, produtor de conteúdos, entusiasta da vida real e amante de ficção científica!
Comentários

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Já conhece nosso canal de notícias fiscais no Telegram?
Ilustração de personagem assinando newsletter

Receba conteúdos automágicos sobre o seu mercado por email em primeira mão!

Utilizamos nossa tecnologia para dar mais liberdade às empresas que querem crescer rapidamente focando no que fazem de melhor no mundo, enquanto cuidamos de suas notas fiscais.