Programa Aplicativo Fiscal (PAF): Entenda o que é e qual sua importância

Atualizado há mais de 3 semanas

O Programa Aplicativo Fiscal (PAF) traz um impacto direto ao sistema de emissão dos documentos fiscais eletrônicos. Descubra o porquê neste post!!

Sabemos que o desenvolvimento de novas tecnologias tem como foco otimizar e trazer ainda mais facilidade aos processos que envolvem a nossa rotina e, no caso da emissão de cupons fiscais, isso não é diferente.

Neste post, vamos explicar melhor sobre o PAF e como este programa tem sido usado no processo de emissão fiscal em Santa Catarina, local onde já existe uma grande tendência de alteração e abandono do sistema PAF-ECF em troca dos mais atualizados: o NFC-e

O que é o PAF?

O Programa Aplicativo Fiscal (PAF) é um software de gestão, desenvolvido para varejos e comércios em geral, que segue todas as recomendações da Sefaz. 

De modo geral, ele é instalado diretamente nos computadores de controle ou ponto de venda (PDV) de estabelecimentos comerciais.

Em outras palavras, podemos dizer que o PAF é um programa licenciado diretamente pela SEFAZ e que possui a finalidade de emitir documentos e cupons fiscais validados. 

Curiosidade

O PAF tem a obrigatoriedade de estar conectado a uma impressora de cupons e em sua maioria, as impressoras térmicas são as mais recomendadas para esse propósito.

Qual a importância do PAF?

O intuito da elaboração do PAF foi permitir que os empreendedores possam caminhar em concordância com a Sefaz e, também, consigam padronizar os processos de dados fiscais de cada venda efetuada por um estabelecimento comercial, ficando em dia com o Fisco.

Curiosidade

Antigamente não existia uma maneira de padronização destes dados fiscais de vendas, isso dificultava bastante o trabalho do Fisco.

Além disso, por não haver uma automatização desse processo, que era feito por meio de livros-caixa, registros em duas vias com papéis impressos, havia uma necessidade de existir sistemas qualificados em automação de registro de dados, principalmente nas áreas comerciais que têm relação com o Fisco.

A partir daí, o PAF chegou para trazer essa padronização almejada desses dados fiscais em todas as empresas que possuírem este recurso. E isso poupa tempo também do agente fiscal, além de proporcionar maior segurança para o empreendedor. 

18 principais perguntas sobre nota fiscal eletronica
Ebook: As 18 principais perguntas sobre nota fiscal eletrônica

O dilema fiscal em Santa Catarina

Apesar da adesão tardia à NFC-e com o Ajuste SINIEF 15/18, Santa Catarina tornou-se o último estado a se posicionar sobre a nota fiscal de consumidor. 

Independentemente disso, um projeto piloto passou a rodar com representantes da Associação Comercial e Industrial de Florianópolis (ACIF), da Associação Brasileira de Bares e Restaurantes de Santa Catarina (Abrasel) e da Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) de Florianópolis.

No dia 31 de de Outubro, foi aprovada a adoção do documento fiscal por meio de um hardware fiscal e com uso de um Programa Aplicativo Fiscal.  Já em abril de 2020, mais novidades foram divulgadas.

Nessa época, como foi dito, a notícia que corria era que Santa Catarina passaria a exigir o uso de um equipamento físico para emissão e autorização da NFC-e, assim como já acontece com o SAT Fiscal em São Paulo e o MFE no Ceará. 

Neste caso, eles instituíram o DAF(Dispositivo Autenticador Fiscal), um dispositivo físico que autenticará as vendas do varejo do Estado de Santa Catarina e fará parte do fluxo de emissão de NFC-e em SC. 

Ele está sendo desenvolvido pelo Instituto Técnico Federal de Santa Catarina, mas a estimativa é que seja lançado apenas em 2022.

Até lá, o contribuinte passará por um processo de transição, podendo optar entre duas tecnologias e três formatos diferentes:

  • Emitir o Cupom Fiscal via ECF e PAF-ECF (Modelo Tradicional);
  • Emitir NFC-e via PAF-ECF e a Contingência no ECF;
  • Emitir NFC-e por meio do PAF-NFC-e, bem como sua contingência.

Dentro desse cenário aqui, em tese, é possível emitir a NFC-e, mesmo sem o DAF, basta que o sistema, no caso o GW, faça uma validação dos requisitos necessários para o uso desses formatos que utilizam a NFC-e em vez do Cupom Fiscal.

Vamos entender melhor esses dois sistemas:

PAF-ECF

O PAF-ECF é a ligação do sistema de software aplicativo fiscal (PAF) com a emissora de cupons fiscais (ECF). 

O ECF é uma impressora dedicada a emitir cupons fiscais e deve, obrigatoriamente, estar integrada a um PAF-ECF. 

O ECF tem a capacidade de guardar em sua memória todos os totalizadores fiscais, bem como a imagem de todos os cupons fiscais emitidos. 

Curiosidade

O PAF-ECF deve ser instalado localmente no banco de dados do PDV e por isso, não requer conexão com a internet para o seu funcionamento.

A transmissão das vendas à SEFAZ é feita a partir do PAF-ECF ou de um software de gestão integrado ao PAF para um Emissor de Cupom Fiscal, através do Sintegra ou do SPED periodicamente (mensal).

Ou seja, o primeiro é o gerador do cupom autenticado e a outra faz a impressão do mesmo. 

Esta impressora (ECF) deve possuir autenticação da SEFAZ e a empresa emissora deve dispor de um certificado digital para validar o procedimento.


A impressora ECF possui memória interna para armazenar todos os cupons fiscais, assim como todas as imagens emitidas por ela, o que exige uma constância de manutenções periódicas realizadas por um agente fiscal credenciado. 

atenção

Se você quer ficar por dentro de todas as mudanças e atualizações que acontecem em Santa Catarina, então não deixe de checar o nosso conteúdo:

NFC-e em Santa Catarina: Tudo que você precisa saber

PAF-NFC-e 

O PAF-NFC-e é a integração do software fiscal, com este novo modelo denominado Nota Fiscal do Consumidor Eletrônica (NFC-e).

A diferença deste para o PAF-ECF, é que a NFC-e é transmitida pelo estabelecimento diretamente para a Secretaria da Fazenda via internet no ato da compra, e possui um plano de contingência no caso de oscilação de conexão, sem perder os dados registrados.

Curiosidade

Para emitir NFC-e é necessário obter um certificado digital da empresa emissora. 

O que fazer depois que a NFC-e for totalmente implementada em Santa Catarina?

Quando a NFC-e for obrigatória para todos os contribuintes catarinense, é importante saber que nossa plataforma de automação de NFC-e, eNotas Gateway, suportará as emissões em SC de forma totalmente automática, e sem você precisar efetuar nenhuma adaptação técnica.

Com essa mesma integração simples, você já consegue emitir NFC-e em qualquer estado do Brasil — até mesmo suportando o SAT de SP automagicamente!

A nossa integração funciona também para NF-e e NFS-e em todo o Brasil. Portanto, você não precisar se preocupar com atualizações técnicas, adaptações e variedades de sistemas e tecnologias que existem atualmente.

E você, vai ficar de fora dessa?

Faça como quem mais cresce no Brasil!

TOTVS, Conta Azul, Sankhya e diversos outros ERPs já escalam as suas operações com o eNotas Gateway!

Conheça o eNotas Gateway!
Rafael Versiani - Escritor, produtor de conteúdos, entusiasta da vida real e amante de ficção científica!

Comentários

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Utilizamos nossa tecnologia para dar mais liberdade às empresas que querem crescer rapidamente focando no que fazem de melhor no mundo, enquanto cuidamos de suas notas fiscais.